Acervo Espírita

 

    A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z 

ESTILO

Baião (2)
Blues (5)
Chorinho (3)
Coral (84)
Dance (12)
Evangelização (309)
Hard Rock (1)
Hino (28)
Infantil (18)
Lenta (741)
Mocidade (187)
MPB (203)
Pop (289)
Prece (44)
Reggae (15)
Regional (1)
Rock (86)
Rock Erudito (5)
Samba (14)
Xote (1)

Atualizações
Sobre o Acervo

FORMULÁRIOS

Incluir músicas
Autorizar músicas


Obsessão

COMPOSITOR: Gilberto Andreotti

ÁLBUM: Cancioneiro Espírita - Vol. 3

ESTILO: Evangelização :: Mocidade ::

Sabe o que que é gente
A gente véve, véve uma veiz, véve ôtra veiz e nunca aprende
Comigo aconteceu um caso, sombroso
Eu pensei que tava com zigue-zira ... e tava memo
Grupo: Olha o breque!

Na minha vida estava tudo numa boa
Quando de repente à toa um fato estranho me ocorreu
Mas o que foi que aconteceu ?
Eu fui perdendo a minha personalidade
Foi ficando na saudade tudo aquilo que era eu
Chegava em casa só brigava com a patroa
Não pensava em coisa boa por melhor que eu estivesse
E do emprego, saiba que fui despedido
Pois sentindo-me ofendido dei um tapa no patrão
Mas isso não tá certo não!
Não conseguia compreender o que ocorria
Minha cabeça estava em grande confusão
Quando um amigo me chegou num belo dia
E me afirmou que o caso era obsessão
Me aconselhou então a freqüentar um centro
Andar direito e não dar moleza não
Orar bastante e estar sempre atento
Tomar cuidado com a tal perseguição
Vou te contar por este meu samba de breque
Fui no Centro Allan Kardec e tudo então se resolveu
Mas como foi que isso se deu
Me colocaram junto a uma porção de médiuns
E através desse intermédio apresentou-se o Eliseu

Ué mas o Eliseu não morreu
O Eliseu era um safado
Trambiqueiro, sem-vergonha
Silêncio! Vamos respeitar os Mortos!

Foi me dizendo ser antigo inimigo
Jurou ter me perseguido desde muito tempo atrás
E eu zangado, mucho lôco, aturdido
Fui gritando seu bandido essas coisas não se faz

E eu xingava o Eliseu, o Eliseu xingava eu
E eu xingava o Eliseu, o Eliseu xingava eu
Xingava de palavrão, de nome feio, de tudo que ceis tão pensando

E sem demora prá por calma no ambiente
Aproximou-se o dirigente que por fim intercedeu

Acalmai-vos irmãos
Essas coisas são muito naturais
Dívidas do passado atravessam as existências
E não nos permitem a paz
É necessário que busquemos
Lá no fundo de nós mesmos
O porquê do sofrimento, a razão prá tanta agrura
Pois que toda criatura só alcança a evolução
Quando a si própria depura e auxilia o seu irmão

E assim ficamos cabisbaixos pensativos
Procurando lenitivos para nossa situação
Ahh!
Óh Eliseu devemos acabar com isso
E proponho simplesmente um termo prá conciliação
Vamos fechar entre nós dois um compromisso
Sei que será bem difícil mas não custa a intenção
Para testarmos nossa calma o nosso vício
Voltaremos genro e sogra numa outra encarnação
Ah esse cara tá doido
Para testarmos nossa calma o nosso vício
Voltaremos genro e sogra numa outra encarnação

Isso não vai dar certo não!

áudio oficial